Thanks for your visit. Comments or contact: sissym.mascarenhas@hotmail.com

sexta-feira, agosto 13, 2010

Mas se... uma mistério infantil!


Na noite de quinta-feira, ontem, o vento soprava zangado do lado de fora do prédio. Ele chicoteava janelas, uivava, arrastava vasos nas varandas, ou seja, aprontava na noite escura.

- Fica deitadinha, eu já volto. Eu vou verificar se a porta da varanda está fechada.

Após checar, deitei-me ao lado dela.



- Mãe... vamos dizer assim: se toda casa ficar fechada, nós vamos ter ar para respirar?

- Com certeza.

- Mas se as janelas estiverem fechadas, como o ar vai entrar?

- Pelas frestinhas das janelas, das portas...

- Mas se não entrar por aí, como vamos ter ar para respirar?

- Temos o exaustor também, além de que abrimos a porta de vez em quando e o ar entra...

- Mas se, vamos dizer, não abrimos. Podemos morrer?!

A minha mente viajou velozmente e lembrei-me que durante Invernos rigorosos, onde a calefação é necessária, todas as janelas de uma casa estão bem fechadas. Eu também visualizei pessoas que foram soterradas e milagrosamente foram salvas, estavam em lugares mínimos onde o ar era praticamente inexistente.

- Filha, não se preocupe com isso. O ar está dentro de casa, tem espaço suficiente para mantê-lo por algum tempo.




Eu lhe afaguei carinhosamente o rosto e percebi que parte dessas dúvidas acabaram, acredito que minha pequena filha se sentiu mais segura.

Eu também me recordei quando era pequena e não sabia como eu respirava. Certa vez , comecei a ter medo de dormir e parar de respirar. Respirar, para mim, era um mistério também. Eu ficava vigiando se estava respirando ao me deitar, então acabava ofegante! Que atrapalhação! Saudades do tempo de criança, onde coisas simples são enigmáticas.









Quando eu for, um dia desses,
Poeira ou folha levada
No vento da madrugada,
Serei um pouco do nada
Invisível, delicioso

Que faz com que o teu ar
Pareça mais um olhar,
Suave mistério amoroso,
Cidade de meu andar
(Deste já tão longo andar!)

E talvez de meu repouso...
Mário Quintana

Compartilhe esse artigo:

Related Posts with Thumbnails

24 comentários:

  1. Sissy darling,
    The mysteries are endless when we are children!
    When we get older we sometimes don't question things enough! I always sleep with the window open just in case!!
    Sweet dreams my beautiful fairy.....
    Love, Craig

    ResponderExcluir
  2. Minha querida amiga Sissym, como é bom ver criança questionando sobre o que não compreende... é a necessidade do aprendizado... criança que questiona aprende tudo rapidamente, muito esperta sua filha. Adorei o poema de Mário Quintana! Abraços e muita paz!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito!
    É verdade. Que delícia é desvendar os enigmas da infância.
    Época de pureza.
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Grande Sissym, bem, o homem está conseguindo acabar com muita coisa, e o ar ou falta dele é uma consequencia ..... que medo .....Bem, então por enquanto que o vento nos leve pra qualquer lugar ..... rsrsr

    ResponderExcluir
  5. LINDO!

    Essa nossa vida é um mistério, um enigma... eu não sabia como era respirar e também tive medo de dormir e não acordar.kkk

    lindo texto, bjs

    ResponderExcluir
  6. @Dú Pirollo: Eu adoro ouvir minha filha, para mim é uma viagem ao tempo. Sobre o poema, que sorte, caiu feito luva.

    ResponderExcluir
  7. @Craig: I feel miss (saudades) of yesterday, each day of her life.

    ResponderExcluir
  8. @Joselito: Quando coloquei o video, logo lembrei de voce!

    ResponderExcluir
  9. @Albuq: Querida, enfim as crianças passam por mesmas experiencias. Qq hora eu acho que ela vai dizer o mesmo. Tomara que me conte, porque desejo conforta-la e acalma-la.

    ResponderExcluir
  10. Estes momentos são mágicos, mas as tendência as perguntas ficarem mais cabulosas quando as crianças crescem...

    Fique com Deus, menina Sissym.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Sissy, minha querida!
    As crianças realmente nos fazem perguntas que por mais absurdas que pareçam, nos faz lembrar de quando éramos crianças e perguntávamos aos nossos pais as mesmas coisas...rsrsrs...Imagina os meus meninos aqui me perguntando a cada desenho que assistem se "existe mesmo" ou se "é verdade" ??? rsrs..
    Que bom que você deixou a Laurinha mais segura!
    Grande beijo,
    Jackie

    ResponderExcluir
  12. @Jackie Freitas: Jackie, na quinta a noite ela queria falar com a Camila! kkkkk mas vc não estava online! Não sei o que ela tanto queria falar!

    Quando as perguntinhas.... adoro. Tudo faz com que eu retorne ao passado e lembre de fatos que aconteceram comigo!

    Bjs

    ResponderExcluir
  13. @Daniel Savio: Savio, ela me fez uma que seria mais "seria" e consegui responder para uma menininha como ela entendere. Ela aceitou e nada mais perguntou.

    ResponderExcluir
  14. Sissym o meu grande medo era do meu coração parar de bater, morria de medo e sempre colocava a mão sobre o peito,
    kkkkkkkkkkkk,
    hoje meus medos são outros, me perocupo com os filhos, onde estão, o que estão fazendo, estão bem? Na verdade sempre vamos viver com medos "bobos", não importa a idade,
    Excelente post,
    bjs,
    Vitor

    ResponderExcluir
  15. @Victinho: Victinho, eu tambem ficava preocupada se ele ia parar de bater, mas lembro que essas coisas foram fases, talvez época que estava descobrindo curiosidades.

    ResponderExcluir
  16. Olá Sissym,
    Você já observou que às vezes tem necessidade de um abraço, de um carinho, ou mesmo de que alguém o pegue no colo?
    O colo é um jeito inteligente que a natureza inventou de dar a criança conforto e amor, do mesmo jeitinho que era dentro do útero. É isso mesmo, quando seguramos um recém-nascido no colo, damos contenção, segurança, calor, e o bebê têm a possibilidade de ouvir bem de pertinho aquele som tão conhecido – o coração da mamãe.
    Meu carinho

    ResponderExcluir
  17. @Silvana Marmo: Eu vivo dando colo para ela, sempre estou pegando no colo. A sorte que ela é bem magrinha! Ela já fica um pouco encabulada quando a vejo na escola e dou um abraço mais "upa" kkkkkkkkkkk não resisto!

    ResponderExcluir
  18. Haaammm, Sissym!
    Que gracinha de post!
    De fato a infância é uma coisa maravilhosa. São lindos esses momentos - de insegurança e descobertas -, e mais bonito ainda toda a sua sensibilidade ao lidar com essas situações. Amei. Gostaria que mais pais e mães fossem assim também, e não desdenhassem, como diversas vezes acontece dos medos infantis!
    Beijos e bom início de semana!!

    ResponderExcluir
  19. @Viiii: É verdade, creio que alguns pais desdenhem de seus filhos. Eu já vejo como quem eu fui antes, uma criancinha. Ela é a continuação.

    ResponderExcluir
  20. Eita Sissy... essa criançada está sempre nos ensinando coisas! Vi uma mensagem nesse questionamento: E se nos fechassemos dentro de nós, sem deixar nenhuma fresta, nem porta?! Será que sufocaríamos com nossos sentimentos? As vezes, para nos proteger e nos sentirmos seguros, trancamos todas as portas... quando não deixamos o ar de novas idéias e sensações entrar, sufocamos com a solidão dos nossos pensamentos....
    Assegure sua pequena, Sissy, para nunca fechar as portas do coração nem as janelas da alma... assim o ar nunca faltará!
    Bjocas e bitocas para vc, lindona! Marcia

    ResponderExcluir
  21. ainda bem que tem criança pra fazer a gente pensar. ou melhor, ainda bem que tem filho. o meu, com 30 anos, é um bebê. até ele tem inquietações, e precisa das minhas respostas pra amenizá-las. independentes de serem ou não crianças, filo é filho. pensao em quando faltar minha mãe. sim, pq eu tenho inquietações e ela me salva.

    ResponderExcluir
  22. @Marcia Pinho: Marcia, creio que podemos sim nos sufocar com os sentimentos! Precisamos colocar para fora, nem que seja escrevendo uma poesia.

    ResponderExcluir
  23. @requeri-assadeira: Espero poder viver bastante e com saude para poder continuar respondendo às perguntas de minha amada filha.

    ResponderExcluir

Recados: sissym.mascarenhas@hotmail.com
Obrigada